Capicua – “Último Mergulho” ft. Lena D’Água

Vou nas ondas do mar
Vou nas dunas de areia
Eu vou pra mergulhar
Nos braços da sereia.

De pé na água e camélia na mão
Fui sem mágoa prestar oração
Pra fluida como ela na adaptação
Contornar a pedra em qualquer situação
De pé na areia e pau-santo na mão
De coração cheio prestando oração
Pedi transparência, ciência e visão
E com a sua claridade ter a mundivisão
De pé direito e a mão na tua mão
Fé no peito prestando oração
Pedi a força da ondulação
Pra ter a bravura, determinação
Na ilha na praia da Conceição
Senti na barriga outro coração
Desde então, cada dia prestei oração
Para ser motriz cumprindo a função
Na ilha na praia da Conceição
Senti na barriga outro coração
Desde então, cada dia prestei oração
Para ser feliz cumprindo a missão!

De pé direito e com a mão na tua mão
Eu fui com a fé no peito pra prestrar oração,
Eu pedi a mesma força da sua ondulação,
Pra ser motriz, e ser feliz enquanto cumpro a missão.

Coração ao alto, do parto ao palco,
Não falto, contra ataco, do contra e contralto!
Eu contrato e crio um mercado
Eu converto o contrariado
Eu combato o patriarcado
É esse o meu predicado.
E só fica prejudicado
Quem fica do lado errado
Da historia, na escória, sem glória, só,
Menosprezando o chamado.
Que eu mantenho o calendário,
Sou do rebanho do Mário,
Eu marco o macro cenário,
Só com um micro e dois ovários (meu).
Empenho e instinto, trigo limpo
Não minto quando digo que compito com afinco
Sabes disso, eu insisto, só largo quando há sangue
Tomo o comando, na guerrilha com o gangue.
Sem vice, já disse, se a matilha late eu ando
Cala quando eu mando, mano eu emano
É ano após ano e os feitos são inúmeros
E eles esquecem as letras e andam só atrás dos números…
Solene como a cada último mergulho
Eu rasguei a dor e o medo como papel de embrulho.

Solene como a cada último mergulho
Eu rasguei a dor e o medo como papel de embrulho.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *