Miguel Araújo e Ana Bacalhau – Ciúme

Mais que uma rosa,
Mais que um perfume
Dou-te uma cena de Ciúme
Faço prova aparatosa
Do meu amor por ti

De peito aberto
Cabeça ao lume
Mostro-te as minhas feridas de guerra
Gentileza que o peito descerra
Aceita o meu ciúme

À vista de todos por cortesia
Salta-me a tampa
Vou ao teto
Como quem cede um afeto
Em plena luz do dia

Ciúme que não sai do peito
É espinho que corta a direito
E queima como sal
A ferida onde fermenta todo o mal

Podes soltar aos quatro ventos
Podes não contar a ninguém
Mas toma conta dos meus tormentos
Como um presente de quem te quer bem

Guarda esta birra de menina
Aceita a minha gentileza
Guarda com uma certeza
De haver quem te queira assim

E se eu às vezes abuso do meu
É porque nunca acusas o toque
Por mais ciúme que eu te provoque
Nem sequer um pingo do teu

Ciúme que não sai do peito
É espinho que corta a direito
E queima como sal
A ferida onde fermenta todo o mal

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *