Diabo na Cruz – Malhão 3.0

Põe a grade bem no cimo da geleira
O cadeado no cofre de madeira
E vem dançar
Vai começar

Deita em água uma mão de feijão verde
Pimentão, salsa e louro no borrego
Deixa a apurar
E põe-te a andar

Se compravas, põe à venda
Se arrendavas, sub-arrenda
Flash em off
Posta a foto
Faz negócio
E anda lá daí pra fora
Chegou a hora

Já não há saco p’ra tensões
Peritos, magos e vilões
Toda a gente
A ver se mete
O alfinete
Em forma de comentário
Incendiário

Olha as luzes na praça
E a populaça
Toda em pulgas p’ra cantar

Vem comprovar
Ver para crer
Bailar até cair pró lado
Esquece o jantar
‘Bora a correr
Hoje a festa é do Diabo

E meio gás não serve
Só calor e entrega em noites ávidas
Rebelião de febre
Bombos, suor e lágrimas

Traz a avó, a cunhada e o gaiato
Deixa o shot de aventuras para o chato
Que quis faltar
Pode ajudar

Toca a andar, pernas para que te quero
Burricada, Malhão 3.0
É aguentar
E vira o par

O Circo lá esgotou
O bom senso extraviou
A solução
É onda de invasão
Da Galiza ao Sotavento
Repovoamento!

E não é que pelos vistos
Vem aí o apocalipse
Tu queres ver
Que chatice
Não há realista
Que ature a realidade
Haja piedade!

Olha as luzes na praça
E a populaça
Toda em pulgas p’a cantar

Vem comprovar
Ver para crer
Bailar até cair pró lado
Esquece o jantar
‘Bora a correr
Hoje a festa é do Diabo

E meio gás não serve
Só calor e entrega em noites ávidas
Rebelião de febre
Bombos, suor e lágrimas

 

Mais da Aldeia

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *