Carolina Deslandes – Aleluia

És da cor do sol
Trazes na pele a luz
E a calma da manhã
Nas mãos as flores
E um cheiro a hortelã
Que me faz ver cores
Que eu não conhecia
És da cor do amor
Trazes nos dedos
Os poemas e canções
O quente e o frio
Vivo nas quatro estações
Que me faz rir
E mata a melancolia

Não sei que bem fiz eu
Para te merecer
Que espécie de coisa bonita
Te trouxe à minha vida,
Aleluia
Não sei que bem fiz eu
Já julgava ser tarde
P’ra poder viver um milagre
Tu chegaste e eu grito
Aleluia

Aleluia, aleluia
Aleluia, aleluia
Aleluia, aleluia

És da cor da paz
Trazes nos dedos
O saber de outras vidas
De alma enrugada
Que me dá guarida
E eu adormeço
Sem medo de acordar
És da cor da calma
Trazes nos ombros o luar
De outros planetas
Trazes os sonhos
E as borboletas
De tão feliz
Eu sento-me a chorar

 

Mais da Aldeia

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *