Emicida – Eu Gosto Dela

Bem leonina, menina, mandona
Linda, sabe da sina, mina valentona
Fina, cheia de razão, rainha, foliona
Ela descortina o novo, bota fim na zona
Teu olhar ilumina, abomina o cafona
Amazona e bailarina, toda bonitona (pá)
Ela é purpurina, skinny e paquitona (também)
Nove da matina, um café na poltrona (ó)
Dona da rotina, mamãe corridona
Defina efeito sanfona, se acha esquisitona
Cafeína, Maracujina, moça respondona
Feiona em dia ruim, mas sempre bella donna
Maestrina do lar e popstar, Madona
Sovina dança, opina, sorri e faz carona
Quer ser minha pequenina e pro mundo grandona
Meu negócio da China, caipira, brigona
Eu gosto tanto dela, a ponto de querer ’tá perto
E pronto
Não tem outro jeito de me ver sorrir
É louco o efeito dela, aqui
Grita igual buzina em dia, nervosona
Santa sem batina, ganha tranquilona
Hipnotiza a retina, flash, figurona
Estrela maior do show, se precisar, machona
Fria igual neblina, alegre e fanfarrona
Brilha igual platina, prima sabichona
Ave de rapina e musa pras telona
No ritmo, atina e lá vai Corona
Ela é paz pra Palestina, fé pra Babilônia
Respeito, disciplina, boba e brincalhona
Estriquinina a TPM, vira felizona
Ela abre o circo, ela recolhe a lona
Diz que ’tá gelatina e malha apegadona
Vira destaque da piscina, satisfeita mona
Messalina, corajosa, do lar e chorona,
Faz tudo quando quer
Eita, mulher durona
Eu gosto tanto dela, a ponto de querer ’tá perto
E pronto
Não tem outro jeito de me ver sorrir
É louco o efeito dela, aqui

Mais da Aldeia

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *