Luisa Sobral – Cupido

Não te ouvi chegar, nem sei o que aconteceu
Sei que de repente o mundo era tu e eu
E os dias que eram grandes ficaram bem menores
Para te olhar calma e decorar pormenores

Vieste de mansinho, direto ao coração
Sem que houvesse tempo para alguma precaução
Não sei se foi destino, não sei se existe ou não
Oh, a seta do cupido com a força de um arpão

Foi um feliz acaso que me aconteceu
Ou fenómeno astrológico que nos cruzou lá no céu
Pode ter sido a sorte ou talvez um Deus qualquer
Que te pôs no meu caminho para eu te conhecer

Vieste de mansinho, direto ao coração
Sem que houvesse tempo para alguma precaução
Não sei se foi destino, não sei se existe ou não
Oh, a seta do cupido com a força de um arpão

Mais da Aldeia

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *