Samuel Úria – Dou-me Corda

Letra da música Dou-me Corda, do cantautor português Samuel Úria.

Eu tinha a corda na garganta afinada em dó
E outra corda no pescoço com um windsor knot
Aperaltado alternativo a aspirar o Pop
Mas com fascínio travestido de mulher de Ló

Tenho o futuro num post-it que é para ser lembrete
Pus os meus filhos na cantera mas nenhum promete
O livre arbítrio fez voz grossa mas saiu falsete
Mantive a Fé e o bom combate na carreira das 7

Estou reservado para o lado que no fim se ri
Mas nunca fico no meu canto sem sobrar pra ti
Não vais chegar às notas altas sem um bisturi
O auto-tune é tão bem vindo como o Pitanguy

E dou-me corda
E dou-me corda
Eu dou-me corda que está presa numa mão maior

Eu tenho a corda dos sapatos afinada em ré
Não consigo andar prá frente p’lo meu próprio pé
Nem com trotes nem trinados nem com a Santa Sé
Falhou-me o auto-empurranço, é só cafuné

Eu dou-me corda
E dou-me corda
Eu dou-me corda que está presa numa mão maior

Mais da Aldeia

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *