QUEM É MÁRCIA?

Márcia nasceu Ana Márcia de Carvalho Santos em Lisboa, no dia 19 de Fevereiro de 1982.

marciaMárcia queria ser pintora e cursou Belas-Artes. Talvez seja por isso que a sua música tenha a delicadeza de um traço numa página em branco, ou invoque cores pintadas com paciência numa tela. Márcia também fez tangentes ao cinema, e talvez seja por isso que a sua música nos crie imagens tão fortes na cabeça.
Mas Márcia, na verdade, descobriu-se como cantora e compositora, mesmo que ao princípio a música não passasse de um hobby sugerido pela guitarra do irmão. Esse hobby foi conquistando cada vez mais espaço e em 2002 frequenta a escola de jazz do Hot Clube. Estava escrito: foi na música que Márcia se encontrou – e que o público a encontrou.
Foi em 2009 que Márcia se estreou em nome próprio com um EP de cinco temas chamado apenas “Márcia”, publicado pela Optimus Discos, já depois de ter participado com a versão original d’ “A Pele Que Há em Mim” na colectânea “Novos Talentos FNAC” do mesmo ano. Algum público mais atento já a reconheceria como uma das vozes do Real Combo Lisbonense, do qual fez parte entre 2008 e 2012. Desde a edição do primeiro EP as coisas têm vindo a crescer, com paciência e segurança. Com a paciência e a segurança de quem sabe o que quer e como o quer.
“Dá”, o primeiro álbum, lançado em 2010 pela Pataca Discos de João Paulo Feliciano, tornou-se num pequeno fenómeno de popularidade, levando à contratação de Márcia pela Warner e pelo relançamento do disco em 2011, com um pequeno “bombom”: uma nova versão de um tema do EP, “A Pele Que Há em Mim”, em dueto com J. P. Simões. Visto mais de dois milhões de vezes no YouTube, um dos temas mais vendidos no novo mundo da música digital (iTunes e afins), “A Pele Que Há em Mim” ultrapassou todas as expectativas.
Parece que tudo aconteceu demasiado depressa. Mas o reconhecimento não subiu à cabeça de Márcia. A cantora foi mãe entre “Dá” e o segundo álbum, “Casulo”, publicado em 2013, e a experiência moldou necessariamente o novo trabalho, produzido por Filipe C. Monteiro e que contou com a colaboração de Samuel Úria no tema “Menina” que, a par de “Deixa-me Ir”, foi um dos dois singles retirados do álbum.
E a carreira de Márcia continua nessa progressão paciente e segura de quem vê as coisas acontecer sem deslumbramentos nem sofreguidões. Depois de “Casulo”, o passo seguinte leva Márcia ao Rio de Janeiro e a gravar com Dadi Carvalho, cúmplice regular de Marisa Monte e presença de peso no êxito dos Tribalistas. Mas nem a produção de Dadi, nem a presença de nomes grandes da música brasileira como Criolo (que participa em “Linha de Ferro”) ou Vinicius Cantuária (presente em “Sem Igual”, “ A Urgência” e “Bem Amargo”), afastou Márcia do seu caminho.
O disco, afinal, chama-se “Quarto Crescente” e vem co-produzido por Filipe C. Monteiro, responsável pela produção do anterior “Casulo”, em conjunto com a própria cantora. Como quem diz: esta ainda é uma obra em crescimento, um percurso de descobertas e encantos. Onde existe “A Insatisfação” (título do primeiro single) ou “A Urgência”, mas também um “Ledo Sorriso” ou um “Bom Destino”. Aberto ao que vier e disposto a convidar o público para essa viagem.
Como quem se coloca frente a uma tela branca com pincéis e tintas a ver onde a inspiração a leva. Podemos ter perdido uma pintora ou uma cineasta, mas ganhámos uma cantora e compositora “sem igual” na actual paisagem portuguesa. Márcia está de regresso.

Discografia:
2009 – 
Márcia
2011 – 
2013 – Casulo
2015 –  Quarto Crescente

Fonte: Facebook Oficial

icone-facebook 
Segue a Aldeia no Facebook!

Mais da Aldeia

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *