Diabo na Cruz – Armário da Glória

No foyer do Maria Matos
Dei contigo a cortar no Malhadinhas
Não te basta gozar o meu bigode
E citar Paul Auster quando calças Josefinas

“Tenho um fraco por saloios como tu”
Confessas a tentar ter pena minha
Já no teu loft, entre o gin e o tofu
Um retrato do Andy Warhol a mirar-me da cozinha

Glória Margarida, o que é que andas a esconder?
Tu que gramas tudo o que é fixe alguém gramar
Glória Margarida, estou mortinho por escrever
A canção do teu armário

Queres levar-me ao Hansa Studio em Berlim
É tirar fotos, escorregar pelo salão
Quem sabe, estudar Brian Eno
Sim, porque eu se é Alemanha estudo Sérgio Conceição

Queres um mundo pra vocês outro pra nós
Que contemple um curral de onde viemos
Só que eu e tu tivemos os mesmos avós
Desce abaixo deste ramo solitário e bailemos

Glória Margarida, o que é que andas a esconder?
Tu que gramas tudo o que é fixe alguém gramar
Glória Margarida, estou mortinho por escrever
A canção do teu armário

Glória Margarida, o que tens tu a esconder?
Já que sabes tudo o que é fixe alguém gostar
Glória Margarida, olha já estou a escrever
A canção do teu armário

Glória Margarida, onde é que tu te vais esconder?
Quando o povo se unir para cantar
Glória Margarida, fartinho de saber
A canção do teu armário

Glória Margarida, saberás reconhecer
Tu que topas o que está pra rebentar
Glória Margarida, olha acaba de nascer
A canção do teu armário

BOTAO-SEGUE2

 

 

 

Mais da Aldeia

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *